Sê tu própria!

Desiste!
Nunca conseguirás ser perfeita…
Também o queria e sei não ser capaz!
Não precisas ser aquilo que não és…

Sorrisos forçados, olhares enganados…
Não és tu mesma!
Essa que olhas ao espelho não és tu,
Tu és diferente!

Quero de volta a pessoa que eras!
Aquela exuberante simpatia matinal,
Fazendo banal o mais alegre amanhecer!
Tornavas os dias diferentes.

O radiante sol temia-te!
Esse teu astral sorriso
Que engrandecia o mais pálido sentimento.
Quero-o de volta, ele era vida!

Anda, volta a ser quem eras!
Não quero que sejas perfeita,
Ninguém o consegue ser.
Sê apenas tu, sê tu própria!


Foto: Mirror de Emanuel Valentim Correia
1 Response
  1. poematar Says:

    Ser si próprio, eis um dos maiores desafios que um ser humano pode ter. Omplicado, mas vale a pena. Poema bem estruturado, no qual destaco o belo verso que define uma grande simpatia e empatia do eu do poema por aquela a quem se dirige: "O radiante sol temia-te!(...)". Tudo de bom. Tenho lá uma edição que gostaria que visses.