Nas mãos do tempo


Estou sentado na varanda da minha sala
A olhar a lua nesta noite escura…
O vento, suave, traz o som dos grilos
Uma melodia constante e monótona.
É quase verão!

E eu aqui sozinho…
Já à muito me habituei a esta condição,
Eu e o meu pensamento,
(Pelo menos esse não me atraiçoa)
Perdidos na noite escura!

Sou um utensílio nas mãos do tempo,
Se bem que não tenho qualquer uso…
Limito-me a ficar aqui, sentado,
A ver as memórias serem levadas pelo vento,
Conto estrelas, de noite, para distracção minha.

E estas amarras que me prendem a alma,
Que me sugam as energias, poucas…
Os espinhos que ainda trago cravados no coração
E as marcas que se espalham pelo corpo, tantas…
Sou um corpo que o tempo transformou em cadáver!

E não tenho forças para alterar tudo isto
Não consigo construir um futuro melhor!
Vou continuar a ser uma marioneta nas mãos do tempo
E vou acreditar que um dia será o ultimo,
Pois já nada me faz voltar a viver, de novo…

Foto: Mãos de tempo de Altruista
2 Responses
  1. Adoro os teus textos.

    Ve os meus, no meu blog:

    teoria-ancestral-escrita-proibida.blogspot.com

    Se seguidor e recebe as novidades do meu blog.

    Eu serei do teu!

    Abraços,
    Fernando Teixeira


  2. Bárbaraaa Says:

    tens um selo no meu blog (: